Timidez na escola: como lidar com alunos com esse perfil?

Timidez na escola
4 minutos para ler

Dentro de uma turma, cada criança tem suas características e personalidade. Uns mais soltos, outros mais retraídos, mas todos com importância no coletivo. A maneira como cada um interage com seus professores e colegas é diferente. E você sabe como lidar com a timidez na escola?

Não há nada de errado com uma pessoa que seja tímida. Porém, essa característica deve ser trabalhada pela equipe pedagógica para que ela tenha suas capacidades desenvolvidas junto ao grupo.

A timidez pode interferir na interação e refletir no desenvolvimento escolar. Por isso, criar mecanismos que ajudem é importante. Neste artigo, você vai ver como atuar em casos de timidez na escola. Confira!

Reconhecendo um aluno tímido

Uma criança ou adolescente tímido é mais calado e, frequentemente, reluta em participar de atividades em grupo. Quando é solicitado que apresente algo diante da turma, pode ficar nervoso e até apresentar sinais físicos, como tremores, rubor facial e falhas na voz.

São tidos como “alunos bonzinhos” e podem ter menos atenção dos educadores do que aqueles que são mais agitados. Dessa forma, a timidez é uma dificuldade silenciosa e precisa de igual foco.

Há níveis de timidez e pode ser que o estudante interaja naturalmente com seus colegas, mas fique tenso quando o foco está sobre ele. Outros ficam isolados do grupo e quase não têm amigos.

A timidez pode estar ligada à baixa autoestima e, quando precisa falar em público, torna-se uma tortura. Isso gera ansiedade para uma simples apresentação de trabalho ou de comemoração de datas como Dia dos Pais, ou das Mães.

Trabalhando a timidez

O professor pode ajudar, com apoio da equipe pedagógica, desenvolver mecanismos que auxiliem no desenvolvimento da autoconfiança da criança. A professora pode estabelecer um laço de confiança, mostrando para ele que está ao seu lado. Uma medida simples é colocar o estudante sentado próximo à mesa da educadora.

A ideia é que a professora forme o elo que dará segurança para a criança tímida se expressar e aumentar a interação. Se a turma contar com mais de um tímido, estimule a aproximação deles.

Fale com o aluno que tem dificuldade de se expressar de forma respeitosa e, sempre que possível, faça isso reservadamente. O ponto fraco da pessoa que sofre com timidez é a interação social.

É preciso dar uma atenção especial, ensinando com pequenos gestos para que a criança retraída descubra como é importante e prazeroso se relacionar com os colegas. Você pode falar abertamente com ele, conduzindo as ações. Explique que é importante olhar nos olhos das pessoas, ser gentil e que não há o que temer na aproximação.

Estimulando grupos

Os colegas podem acabar isolando a criança tímida, justamente por não compreenderem o comportamento e não terem maturidade social para lidar com o diferente. É hora de o educador entrar em ação.

Nesse processo, a inclusão precisa ser trabalha. Provavelmente, um dos maiores desafios da escola é construir futuros cidadãos que respeitem e saibam conviver com diferentes personalidades.

No processo de socialização é importante que todos tenham ciência de que os tímidos têm lugar na sociedade e precisam ser respeitados. É importante que os pais sejam incluídos no processo e, nisso, a agenda escolar se torna um valioso instrumento de comunicação para o que está sendo trabalhado com a classe. É dessa maneira que o engajamento escolar vai ser trabalhado para que todos se unam em benefício dos estudantes.

A questão da timidez pode ser perfeitamente trabalhada para que a criança desenvolva seu máximo potencial. Com carinho e respeito, todos os perfis encontram seu lugar e sua importância no fortalecimento do grupo.

Viu como a timidez na escola é uma oportunidade para que você desafie sua capacidade como educador? Temos certeza de que com o seu carinho e dedicação será possível driblar a situação. Curta a nossa página no Facebook para continuar recebendo conteúdos como este.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-